ESQUEMAS CLÁSSICOS. Manchester United 4 x 1 Benfica. Copa Européia de 1968. Análise tática

Manchester United e Barcelona decidem neste sábado, dia 28 de maio, a UEFA Champions League 2010-2011. Preparamos um especial com análises de jogos históricos das duas equipes. Neste post vamos analisar a final da Copa Européia 1967-1968 entre Manchester United e Benfica. O esquema tático do Manchester United na ocasião foi o 1-3-3-3. O esquema tático do Benfica foi o 4-3-3.

Manchester United


Clique para ampliar

O Manchester United entrou em campo num sistema tático que podemos definir como 1-3-3-3, com uma variação para o 4-3-3. Mas o 1-3-3-3 foi o esquema tático dominante. Foulkes foi o jogador da sobra, jogando atrás de Brennan, Stiles e Dunne. Brennan foi o marcador de Eusébio e não apareceu no campo ofensivo. Dunne, por sua vez, avançou diversas vezes pela esquerda. No segundo tempo, com a inversão constante entre Simões e Eusébio, Dunne foi para a direita algumas e Brennan para a direita.


Clique para ampliar

No meio-campo, três jogadores: Crerand foi o volante mais defensivo; Sadler começou o jogo com características de volante, mas aos poucos foi avançando como meia e chegou a aparecer diversas vezes na área para tentar o cabeceio; Bobby Charlton, o melhor jogador do setor, cumpriu principalmente o papel de armador, mas também ajudava a marcar.

No ataque, Best ficou pela direita a maior parte do tempo, mas também apareceu pelo meio e pela esquerda. Aston foi o ponta-esquerda, priorizando as jogadas de linha de fundo. Entretanto, muitas vezes voltou para marcar pela esquerda. Kidd foi o jovem centroavante do Manchester United.


Clique para ampliar

Ao longo do jogo, algumas variações de posicionamento foram observadas, mais pelo dinamismo do jogo do Manchester United do que por alterações táticas radicais, que não ocorreram. O domínio técnico, tático e físico do Manchester United sobre o Benfica foi muito grande (veja os melhores momentos dessa partida no post VIDEO. ESQUEMAS CLÁSSICOS. Manchester United 4 x 1 Benfica. Copa Européia 1968. Melhores momentos).

Como dissemos, Dunne trocou de lado com Brennan algumas vezes no segundo tempo e Sadler passou a avançar mais vezes ao ataque. Charlton, de início mais centralizado e caindo pela esquerda, passou a jogar mais como meia-esquerda com Crerand pelo centro, como volante, e Sadler pela direita, como meia. O empate em 1 a 1 no tempo normal era um resultado injusto. O Manchester United parece ter deixado para transformar em gols toda a sua superioridade na prorrogação, quando fez 3 a 0 em menos de dez minutos. O placar final ficou Manchester United 4 x 1 Benfica e o time inglês sagrou-se campeão continental pela primeira vez.

Benfica


Clique para ampliar

O Benfica atuou no 4-3-3 com uma linha de defensores que não se desfez durante todo o jogo. Adolfo (lateral-direito), Humberto (defensor pela direita), Jacinto (defensor pela esquerda) e Cruz (lateral-esquerdo) preocuparam-se apenas em marcar o ataque do Manchester United. Nem quando o time esteve atrás do placar no tempo normal os laterais saíram para apoiar, deixando essa tarefa para os volantes/meias pelos lados Mário Coluna, moçambicano como Eusébio, e Graça.

O meio-campo do Benfica formou-se com dois volantes/meias: Coluna pela esquerda e Graça pela direita. À frente dos dois, o meia José Afonso, responsável por armar as jogadas do time português.

Na frente, Torres foi o centroavante, Simões e Eusébio foram os atacantes pelos lados. Eusébio foi a estrela do Benfica no jogo, driblando e finalizando com muita precisão. Ele não ficava tão aberto pelos lados como Simões e ajudava a armar o Benfica pelo meio também. No segundo tempo, Eusébio ficou mais pela centro-direita, diferentemente do primeiro tempo, quando ficou mais pela centro-esquerda.


Clique para ampliar

O Benfica não conseguiu acompanhar o ritmo frenético do time do Manchester United e também não fez frente a melhor técnica e tática do adversário. O time insistiu nas bolas alçadas na área porque não conseguia penetrar na área do Manchester United tocando a bola. O empate no tempo normal aconteceu quase que por acaso, embora o time tenha melhorado muito após sofrer o primeiro gol. Na prorrogação, pouco ameaçou o gol de Stepney.

Ficha do jogo

Manchester United: 1-Stepney, 2-Brennan, 5-Foulkes, 6-Stiles, 3-Dunne; 4-Crerand, 9-Charlton, 10-Sadler; 7-Best, 11-Aston, 8-Kidd. Técnico: Matt Busby.

Benfica: 1-Henrique, 2-Adolfo, 3-Humberto, 4-Jacinto, 5-Cruz; 6-Graça, 7-Coluna, 8-José Augusto; 11-Simões, 10-Eusébio, 9-Torres. Técnico: Otto Glória.

Gols da partida: Charlton aos 8 min do segundo tempo e Graça (Benfica) aos 30 min. Prorrogação: Best aos 3 min, Kidd aos 4 min e Charlton aos 9 min.

Não perca as análises com desenhos e gráficos animados de Barcelona e Manchester United que publicaremos antes do jogo de sábado. Visite o blog Esquemas Táticos, siga o @esquemastaticos no Twitter ou adicione-o no Facebook.

As análises em vídeo do Barcelona campeão da Champions League de 1992, com gráficos animados sobre o vídeo original e em flash, já foram publicadas e podem ser conferidas aqui e aqui.

Siga Esquemas Táticos no Twitter.









Share on Google Plus

Sobre Esquemas Táticos

Marcelo Costa, jornalista e mestre em Sociologia. Editor do site Esquemas Táticos e do Esquemas Clássicos (www.esquemasclassicos.blogspot.com).
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

NEWSLETTER DO ESQUEMAS TÁTICOS

Receba a Carta Tática, Newsletter do site Esquemas Táticos com atualizações e informações exclusivas gratuitas