Juventus x Bayern. Como os times marcam e sofrem gols na Champions League

Quais são as armas de Juventus e Bayern para o confronto pelas quartas de final da UEFA Champions League? Esquemas Táticos fez um levantamento dos gols marcados e sofridos pelas equipes durante a competição e, agora, apresentamos as armas dos times para os dois jogos. A Juventus empatou os três primeiros jogos, dois fora de casa (contra Chelsea e Nordsjaelland) e um em casa (contra o Shakhtar Donetsk); nos jogos de volta, ganhou todos. Contra o Celtic, nas oitavas de final, venceu os dois confrontos. O Bayern de Munique venceu cinco dos seis jogos da fase de grupos (empatou apenas com o Valência); nas oitavas, bateu o Arsenal, fora de casa, por 3 a 1 no jogo de ida e quase foi eliminado, em casa, no jogo da volta, quando perdeu por 2 a 0.

Como são feitos, e sofridos, os gols de Juventus e Bayern? Bola rolando ou bola parada?

Este é um levantamento exclusivo do Esquemas Táticos. Analisamos todos os gols dos participantes das quartas de final da UEFA Champions League 2012/2013. E os cruzamentos dos dados levam a conclusões interessantes. Uma breve explicação dos tipos ideais dos gols (sim, utilizamos esta categoria sociológica weberiana para melhor caracterizar os contextos em que eles ocorrem) se faz necessária.

Estabelecemos dois tipos de gol: o oriundo de bola parada e o de bola rolando. Dentro desses dois tipos, temos os gols de ataque (quando o time adversário está com sua defesa montada, sem a bola, marcando) e os de contra-ataque (quando a bola é roubada do e/ou perdida pelo adversário e este se encontra com a defesa desmontada porque estava com uma postura ofensiva) como subcategorias dos gols com a bola rolando. Os gols de bola parada foram divididos em gols de pênalti, faltas diretas, faltas indiretas e escanteios.

A Juventus marca seus gols com a bola rolando em 88% das vezes. Os 12% restantes foram marcados em cobranças de escanteio. Dos 88% dos gols com a bola rolando, 76% saíram de jogadas de ataque e 12% de contra-ataques. 

Os gols sofridos (apenas quatro) saíram de ataques adversários (75%) e de uma cobrança de falta direta (25%, ou um gol).

O arsenal do Bayern para marcar gols é variado. Com a bola rolando, o time anotou 67% de seus tentos. Dos 18 gols, 50% deles saíram de jogadas de ataque, 17% de contra-ataques, 11% de faltas diretas, outros 11% de escanteios, 6% de faltas indiretas e outros 6% de pênalti. (Observação: aqui há uma pequena distorção no cálculo, já que para arredondar os percentuais, o programa deu 5% e 6% para faltas indiretas e para pênalti. Entretanto, os dois percentuais são para o mesmo número de gols, ou seja, um tento. Por isso, coloquei ambos com 6%).

O Bayern de Munique sofreu 50% de seus gols após ataques adversários, 30% de cobranças de escanteio e 20% de contra-ataques.

A conclusão que se chega é que temos uma vantagem para a Juventus no que diz respeito aos gols sofridos (levou apenas quatro) e no contexto dos gols marcados. A Juve marca a maioria de seus gols (88%) em ataques e o Bayern sofre metade de seus gols dessa maneira. No entanto, os poucos gols sofridos pelo time italiano são oriundos de ataques adversários (75%), e o Bayern marcou 50% de seus gols em ataques.

Quando os gols são marcados?

O Bayern apresenta um ponto fraco estatisticamente relevante. Leva gols, principalmente, no segundo tempo, majoritariamente nos minutos finais. Dos 10 gols sofridos, dois (20%) foram no primeiro tempo e 80% no segundo. Nos 15 minutos finais e nos acréscimos, o Bayern levou seis gols, ou seja, 60% dos gols sofridos saem no apagar das luzes.

Os gols pró do Bayern de Munique são anotados principalmente no primeiro tempo: 55%. Destes, 33% entre 16 minutos e 30 minutos. Nos 15 minutos finais do jogo, o time alemão marca 22% de seus gols e mais 6% nos acréscimos.

 

Melhor defesa da UEFA Champions League 2012/13, a Juventus sofreu apenas quatro gols, três (75%) no primeiro tempo e um no segundo. Destaque para o fato de a Juventus não levar gols nos finais dos jogos. Depois dos 60 minutos de partida, a Juventus não sofreu gols na atual edição da Champions.



Se por um lado o time leva poucos gols, por outro a Juventus faz bastante. Tem 17 gols no total, um a menos que Bayern e Real Madrid, que lideram esse ranking da Copa dos Campeões da Europa 2012/13. São dois gols a mais que o Barcelona, por exemplo. Os gols são marcados numa proporção quase perfeita entre os dois tempos do jogo: 47% no primeiro e 53% no segundo (sendo que, destes, 6% nos acréscimos).


 
Não levar gols no final dos jogos demonstra grande concentração dos jogadores e atenção na marcação. Esse quesito é essencial se um time sai na frente e tem que segurar o resultado.  

Origem dos gols

Para finalizar, vamos analisar de onde se originam as jogadas de gol. Uma observação metodológica. Os gráficos apresentados dizem respeito à origem da jogada de gol, não de onde a bola foi chutada ou cabeceada.

O Bayern sofreu a maioria de seus gols (60%) a partir de jogadas centrais. As jogadas pelas laterais foram responsáveis por 40% dos gols sofridos pelo Bayern: 20% pela direita e 20% pela esquerda. E o que isso quer dizer?


Bom, levando-se em conta que o Bayern anota 33% de seus gols em jogadas originadas do lado direito do seu ataque, significa que a cobertura feita para as subidas do lateral Lahm (principal responsável pelas jogadas naquele setor) estão bem feitas e sua ofensividade não abre buracos na defesa.


A Juventus fez seus gols pelo centro em 53% das vezes e manteve um equilíbrio nos gols originados pelas laterais do campo: 23% a partir da direita e 24% a partir da esquerda. Os grandes responsáveis pelo “carimbo centralizador” dos gols são Pirlo e Marchisio. As jogadas de gol passam, invariavelmente, por eles.


Quanto aos gols sofridos, 75% deles saem a partir de jogadas pelo centro. Apenas um dos gols sofridos (25%) saiu de jogada pelo lado direito da defesa do time italiano.



Curtam a Fan Page do Esquemas Táticos no Facebook.com/esquemastaticos, sigam o @esquemastaticos no Twitter e inscrevam-se no Canal do Esquemas Táticos no YouTube. Também estamos no Google Plus, procurem-nos por lá e adicionem aos seus círculos.













Share on Google Plus

Sobre Esquemas Táticos

Marcelo Costa, jornalista e mestre em Sociologia. Editor do site Esquemas Táticos e do Esquemas Clássicos (www.esquemasclassicos.blogspot.com).
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

NEWSLETTER DO ESQUEMAS TÁTICOS

Receba a Carta Tática, Newsletter do site Esquemas Táticos com atualizações e informações exclusivas gratuitas