Cruzeiro 3 x 1 Nacional-URU. Análise tática. Copa Libertadores 2010

O Cruzeiro venceu o Nacional do Uruguai por 3 a 1, em Belo Horizonte, pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores 2010. O esquema tático do Cruzeiro foi o 4-2-2-2 no primeiro tempo e 4-4-2, com o meio campo em linha, no segundo. O esquema tático do Nacional do Uruguai foi o 4-4-1-1, com uma linha no meio campo.

Cruzeiro



O Cruzeiro começou o jogo no 4-2-2-2, com Marquinhos Paraná e Fabrício como volantes centralizados. Henrique foi o meia pela direita e Gilberto, o meia-esquerda. O desenho deu uma idéia de como seria o time no segundo tempo: um 4-4-2 com duas linhas de quatro e dois atacantes. Adílson Batista adotou, na segunda etapa, o sistema tático mais comum na Copa Libertadores, as tais duas linhas de quatro. Guerrón, portanto, não entrou como terceiro atacante, como alguns disseram, mas como um meia-atacante aberto pela direita. Assim como Diego Renan foi reposicionado na linha de meio campo como meia aberto pela esquerda. Paraná e Elicarlos revezavam-se na tarefa de lateral-esquerdo e volante.

A defesa do Cruzeiro teve Jonathan como lateral-direito, Gil como zagueiro central, Leonardo Silva como quarto-zagueiro e Diego Renan como lateral-esquerdo. Jonathan avançou muito durante todo o jogo. Diego Renan posicionou-se como meia-esquerda no segundo tempo, e a lateral esquerda foi ocupada alternadamente por Elicarlos e Marquinhos Paraná.

No meio campo, Marquinhos Paraná (esquerda) e Fabrício (direta) foram os volantes, Henrique (direita) e Gilberto (esquerda) foram os meias. Henrique também funcionou como um terceiro volante, auxiliando a marcação quando o time era atacado. Nessa situação, também Thiago Ribeiro voltou algumas vezes para compor o meio campo pelo lado direito, deixando Kléber sozinho na frente.

No ataque, Kléber e Thiago Ribeiro trocaram de lado algumas vezes. Thiago Ribeiro teve mais dinamismo que Kléber e, como dissemos, até auxiliou na marcação no meio. Kléber foi muito marcado e deixou espaço para Thiago Ribeiro atuar mais livre.

Segundo tempo



Com três a zero no placar, o técnico Adílson Batista armou um sistema tático com duas linhas de marcação. Então ele sacou Fabrício para a entrada de Elicarlos, que desenpenhou várias funções. Não é à-toa que Adílson gosta tanto de Elicarlos e Marquinhos Paraná. Elicarlos ocupou a lateral esquerda, alternadamente com Marquinhos Paraná, e Diego Renan foi reposicionado na linha de meio campo como meia-esquerda. Guerrón entrou no lugar de Gilberto e passou a ser um meia-atacante pela direita.

Nacional-URU



O Nacional do Uruguai entrou em campo no 4-4-1-1 e assim permaneceu até o fim do jogo. O técnico Eduardo Acevedo mudou algumas peças durante o jogo, mas manteve a mesma formação tática. Ainda no primeiro tempo, o Nacional perdeu Varela por contusão e colocou Diego Vera em seu lugar. Varela era um meia-atacante (mais meia que atacante) à frente da linha de meio-campo. Vera entrou na mesma posição, mas foi mais atacante que meia e chegou mais à frente, auxiliando o isolado Regueiro, que posicionou-se mais à esquerda, nas costas de Jonathan.

A defesa do Nacional teve González na lateral direita, Lembro como zagueiro pela direita, Coates como zagueiro pela esquerda e Núñez como lateral-esquerdo. Núñez avançou algumas poucas vezes, mas González manteve-se quase como um zagueiro no lado direito. O miolo de zaga é alto, mas muito lento.

O meio campo jogou em uma linha de quatro com (da direita para a esquerda) Ángel Morales, Raúl Ferro, Oscar Morales e Calzada. Calzada ousou mais em ações ofensivas, tabelando com Regueiro pela esquerda. Os demais jogadores quase não avançaram.

No ataque, Regueiro jogou praticamente isolado, tendo, vez ou outra, a companhia de Vera, que jogou como meia-atacante à frente da linha de meio campo.

Segundo tempo



Na segunda etapa, o técnico Acevedo manteve o 4-4-2 com duas linhas, mas deixou o lado esquerdo mais agudo, tentando aproveitar as subidas do lateral-direito Jonathan. Ele colocou Pereyra (no lugar de Oscar Morales) como meia-esquerda e deslocou Calzada para atuar ao lado de Ferro na faixa central. Ángel Morales deu lugar a Godoy, que atuou recuado para barrar os avanços de Diego Renan.

Leia também:

Cruzeiro 3 x 1 Grêmio. Copa Libertadores da América 2009.

Nacional-URU 0 x 0 Palmeiras. Copa Libertadores 2009.

INTERATIVO: Grêmio 2 x 2 Cruzeiro. Copa Libertadores 2009.

Esquema tático do Nacional-URU. Copa Libertadores 2009.

Esquema tático do Internacional. Copa Libertadores da América 2010.

VIDEO: Análise tática do Santos 2010.

Mande o link desta análise para o seu twitter.



Share on Google Plus

Sobre Esquemas Táticos

Marcelo Costa, jornalista e mestre em Sociologia. Editor do site Esquemas Táticos e do Esquemas Clássicos (www.esquemasclassicos.blogspot.com).
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Patrick disse...

Parabens pelo trabalho cara, muito bom mesmo!


Mas o nome do Gilberto ali na lateral esquerda nao era pra ser helicarlos?

NEWSLETTER DO ESQUEMAS TÁTICOS

Receba a Carta Tática, Newsletter do site Esquemas Táticos com atualizações e informações exclusivas gratuitas