domingo, 14 de junho de 2009

Esquema tático da Espanha

A Espanha variou bastante seu esquema tático na goleada de 5 a 0 que aplicou na seleção da Nova Zelândia na primeira rodada da Copa das Confederações. Passou diversas vezes do 4-1-3-2 para o 4-2-2-2 no primeiro tempo, e adotou o 4-4-2 — com uma linha no meio-campo — e o 4-1-4-1 no segundo tempo. A facilidade da partida permitiu que Vicente del Bosque testasse diversas formações táticas.



A seleção espanhola começou o jogo no 4-2-2-2, com Xavi como armador, ao lado do volante defensivo Xabi Alonso, Riera como meia abertos pelo lado esquerdo do campo e Cesc Fabregas na faixa central direita. Como a seleção neozelandesa não oferecia ameaça, mudou-se rapidamente para um 4-1-3-2 em que Xavi atuava livremente pela faixa central e esquerda do meio-campo para armar a equipe enquando Alonso era o único volante de marcação. Algumas vezes, pode-se observar que Xavi armando a equipe recuado, ao lado de Xabi Alonso, bem ao estilo Pirlo no Milan (ver post sobre o Esquema tático do Milan).

Riera ficou bem aberto pela esquerda e fez dobradinha com o lateral-esquerdo Capdevila daquele lado. Fabregas apareceu pouco porque ficou isolado do lado central-direito do campo, uma vez que Sérgio Ramos (um zagueiro de origem) não subiu muito ao ataque e o lado esquerdo oferecia as melhores oportunidades de ataque. Na frente, David Villa pela esquerda e Fernando Torres — o artilheiro do time com três gols marcados — pela direita.



No segundo tempo, com a saída de Xavi, Fabregas passou a armar o time jogando ao lado de Alonso, formando uma linha de quatro jogadores no meio-campo com Riera pela esquerda e Cazorla pela direita. Arbeloa também entrou como lateral-direito no lugar de Sérgio Ramos. A dupla de ataque foi mantida num primeiro momento e o time passou a atuar no 4-4-2, com uma linha na defesa e outra no meio-campo.

A última formação utilizada por Del Bosque foi o 4-1-4-1, com a saída de Fernando Torres para a entrada de David Silva.



O volante de marcação foi Xabi Alonso e, a sua frente, da esquerda para a direita: Riera, David Silva, Fabregas e Cazorla. No ataque, David Villa. Riera e Cazorla avançavam para auxiliar Villa pelos lados, e Fabregas e David Silva chegavam ao ataque pela faixa central.


Leia também:

Esquema tático da Nova Zelândia.

Esquema tático do Brasil.

Esquema tático de Portugal.

Esquema tático da Holanda.

Esquema tático da Noruega.

Esquema tático da Argentina.

Esquema tático do Uruguai.

Esquema tático da Colômbia.

Esquema tático da Albânia.

* Fiz a mesma análise para o blog português Portal Futebol, onde podem ser encontradas notícias de clubes europeus e as capas dos principais jornais da Europa.

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More