No 4-1-4-1, Atlético Mineiro goleia o Fluminense por 4 a 1

O Atlético Mineiro não deu chances ao Fluminense e venceu por 4 a 1 no estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro 2015. O Atlético foi o mandante, mas jogou em Brasília devido a uma punição.

Fluminense

O Fluminense praticamente não ameaçou o Atlético Mineiro. Armado no 4-4-1-1, o Fluminense foi um time confuso, sem força ofensiva e totalmente perdido no meio campo. Jean, que normalmente atua como volante e até como lateral direito, jogou pelo lado esquerdo na linha central de quatro jogadores. Gérson, jogando pelo lado direito, às vezes revezava com Jean, trocando de lado, ou com Vinícius, meia-atacante que encostava em Fred, centroavante.


O meio campo em linha funciona se todos avançam e voltam em bloco. Da maneira que o Fluminense implementou o esquema, o time abre buracos pelos lados, já que os meias abertos avançam, e deixa os dois volantes centrais correndo de um lado para o outro tentando marcar o time adversário.



No segundo tempo, o técnico Ricardo Drubscky colocou o time no 4-3-3 para tentar reduzir a vantagem do Atlético de 2 a 0 no primeiro tempo. O time piorou. O problema do Fluminense era fazer a bola chegar ao ataque, com menos gente no meio campo — mesmo agora contando com um armador como Wágner —, a tarefa tornou-se praticamente impossível. Quando a bola chegava para o trio de atacantes formado por Lucas Gomes (direita), Fred (centro) e Magno Alves (esquerda), eles estavam muito afastados e sem o apoio de meias para preencher o meio campo. Além disso, eles não voltavam para recompor o meio campo.

Atlético Mineiro

O técnico Levir Culpi colocou o Atlético Mineiro no 4-1-4-1 e, pela primeira vez no ano, este esquema funcionou. Rafael Carioca foi o volante à frente dos defensores e atrás da linha de quatro meias. Na verdade, a função dos quatro foi meia-atacante. Thiago Ribeiro foi o menos efetivo deles e ainda não fez uma boa partida pelo Atlético desde que foi contratado.


Luan e Dátolo foram posicionados no miolo da linha de quatro central. Luan pela capacidade de chegar à frente, recompor e roubar bolas, e Dátolo pela capacidade de armação e técnica nos passes. Pelo lado esquerdo, o atacante Carlos desempenhou corretamente a função de um meia pela extrema no 4-1-4-1. Com um meio campo extremamente dinâmico, o Atlético engoliu o Fluminense nesse setor.

Além de não dar espaços para a armação adversária, os meias atleticanos contaram com o apoio de Lucas Pratto, que voltava para ajudar a armar e, também, a marcar, quando algum jogador da linha de quatro chegava ao ataque e não conseguia voltar a tempo para recompor a linha central. Os laterais também foram importantes no apoio e na marcação, com destaque novamente para Patric, que foi o melhor jogador do Atlético no jogo de volta contra o Internacional na Libertadores e hoje foi novamente muito bem contra o Fluminense.

Inscreva-se no nosso canal no YouTube.

Curta nossa página no Facebook.

Adicione no Google +.

Siga-nos no Twitter.

O que achou da análise? Comente abaixo.
Share on Google Plus

Sobre Esquemas Táticos

Marcelo Costa, jornalista e mestre em Sociologia. Editor do site Esquemas Táticos e do Esquemas Clássicos (www.esquemasclassicos.blogspot.com).
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Andre Paixao Almeida disse...

Acho esse esquema o melhor para jogadores tecnicos e inteligentes, vi esse esquema sendo usando na copa pela a Alemanha, e a Espanha em 2010, hoje no Brasil, o Tite usou muito no começo do ano, depois mudou para não ficar manjado, usando o 4231, porem acho que ele vai insistir de novo nesse esquema, e parabéns pelo blog. abraços

NEWSLETTER DO ESQUEMAS TÁTICOS

Receba a Carta Tática, Newsletter do site Esquemas Táticos com atualizações e informações exclusivas gratuitas